Cartas aos mortos no antigo Egito

cartas para os mortos no Egito antigo

No livro bíblico de Lucas, a história de Lázaro e do homem rico é contada na qual um homem rico e o mais pobre mendigo morrem no mesmo dia. O mendigo, Lázaro, está no paraíso enquanto o rico está atormentado. Ele olha para cima e vê o Pai Abraão com Lázaro ao seu lado e pergunta se Lázaro poderia trazer água para ele, mas isso é negado; Há um grande abismo disposto entre aqueles que estão no céu e aqueles que estão no inferno e ninguém pode atravessar. O homem rico pergunta se Abraão poderia enviar Lázaro ao mundo dos vivos para advertir sua família, porque, segundo ele, ele tem cinco irmãos que vivem o mesmo estilo de vida indulgente que ele gostava e não quer que sofram. O mesmo destino Quando Abraão responde dizendo: "Você tem Moisés e os profetas, ouça-os", o homem rico responde que seus irmãos não vão ouvir as Escrituras, mas que, se alguém retornasse dos mortos, certamente o ouviriam. Abraão então diz: "Se você não ouvir Moisés ou os profetas, você não será convencido, mesmo que alguém ressuscite dentre os mortos" (Lucas 16: 19-31).

Esta história foi interpretada de muitas maneiras diferentes ao longo dos séculos para fazer vários pontos teológicos, mas seu tema é atemporal: o que acontece depois da morte? O homem rico achava que estava vivendo uma boa vida, mas está no pior tipo de vida após a morte, enquanto Lázaro, que sofreu na Terra, é bem-vindo a receber uma recompensa no céu. O pedido do homem rico de mandar Lázaro de volta à terra parece razoável, no sentido de que, se alguém voltasse dos mortos para dizer como era, as pessoas certamente ouviriam e viveriam de maneira diferente; Abraham, no entanto, nega o pedido.

A resposta de Abraão, mesmo que seja decepcionante para o homem rico, é uma avaliação precisa da situação. Atualmente, as histórias de pessoas em Experiências de Quase Morte são aceitas por aqueles que já acreditam nesse tipo de vida após a morte e são rejeitadas por aqueles que não acreditam. Mesmo que alguém retorne da morte, se não puder aceitar esse tipo de realidade, não acreditará em sua história e, da mesma forma, certamente não aceitará histórias antigas sobre o mesmo tipo de evento.

cartas para os mortos no Egito antigo

No antigo Egito, no entanto, a vida após a morte era uma certeza para a maior parte da história da civilização. Quando alguém morria, a alma passava para outro plano, deixando o corpo para trás, esperando a justificação dos deuses e uma vida eterna no paraíso. Não havia dúvida de que esta vida após a morte existia, exceto durante o período do Império Meio (2040-1782 aC), e mesmo assim a literatura expressando cinismo sobre a próxima vida poderia ser interpretada como um artifício literário tão facilmente quanto um desafio. teológica séria A alma de um ente querido não deixou de existir na morte nem havia qualquer perigo de surpresa no futuro, como evidenciado pelo homem rico de Lucas.

Uma exceção está na obra fictícia do Egito romano (30 aC - 646 dC) conhecida como Setna II, que é a base provável para o relato de Lucas. Em uma parte de Setna II, Si-Osire leva seu pai Setna para o submundo e mostra como um homem rico e pobre experimentaram a vida após a morte. Ao contrário do entendimento anterior de Setna de que um homem rico seria mais feliz do que os pobres, o homem rico sofre no submundo e o pobre homem é elevado. Si-Osire leva seu pai para a próxima vida para corrigir seu mal-entendido, e sua curta viagem para lá ilustra a proximidade que os antigos egípcios sentiam com o outro mundo. Os mortos viviam e, se você quisesse, você poderia até se comunicar com eles. Essas comunicações são conhecidas hoje como "cartas aos mortos".

A outra vida no antigo Egito e os mortos

Acreditava-se que, depois de um ter morrido e dos rituais fúnebres apropriados terem sido realizados, um foi a julgamento perante Osíris e sua corte, e se alguém tivesse tido uma boa vida, um deles se justificava e foi para o paraíso. A questão de "O que é uma boa vida?" foi respondido através da recitação da Confissão Negativa perante a corte de Osíris e o peso do coração na balança contra a pena  branca da verdade, mas mesmo antes da morte, alguém teria uma boa idéia das possibilidades na Sala da Verdade.

Os egípcios não eram baseados em textos antigos para instruír sobre o comportamento moral, mas no princípio do Ma'at, harmonia e equilíbrio, que os encorajava a viver em paz com a terra e seus vizinhos. Certamente, este princípio foi ilustrado em histórias religiosas, incorporadas na deusa do mesmo nome, invocada em obras escritas, como textos médicos e hinos, mas era um conceito vivo que se poderia medir o sucesso de uma pessoa encontrando-se diariamente. Ninguém precisaria de alguém para retornar dos mortos com uma advertência; As ações de uma pessoa na vida e suas conseqüências seriam suficientes, ou deveriam ter sido, para dar a uma pessoa uma boa indicação do que as esperava após a morte.

cartas ao mortos no Egito antigo

Os mortos justificados, agora no paraíso, tinham o ouvido dos deuses e podiam ser persuadidos a interceder em favor do povo, respondendo a perguntas, prevendo o futuro ou defendendo o demandante contra a injustiça. Os deuses haviam criado um mundo de harmonia, e tudo o que tinha que fazer para alcançar o paraíso no dia seguinte era viver uma vida digna da eternidade. Se alguém fizesse um exercício todos os dias para criar uma vida que alguém desejasse continuar para sempre, baseada no conceito de harmonia e equilíbrio (que naturalmente incluía consideração e gentileza para os vizinhos), podia-se confiar na entrada do paraíso após a morte

Ainda assim, havia forças sobrenaturais trabalhando no universo que poderiam causar um problema ao longo do caminho da vida. Os demônios malignos, os deuses irados e os espíritos infelizes ou vingativos dos mortos poderiam interferir com a saúde e a felicidade a qualquer momento e por qualquer motivo. Simplesmente porque um era favorecido por um deus, como Thoth, na sua vida e carreira, não significava que outro, como Set, não causasse uma única dor. Além disso, simplesmente existiam dificuldades naturais de existência que perturbavam a alma e desequilibradas como a doença, o desapontamento, a angústia e a morte de um ente querido. Quando esses tipos de problemas, ou aqueles mais misteriosos, caíam em uma pessoa, havia algo direto que eles poderiam fazer sobre isso: escrever uma carta aos mortos

Paquete Egipto y Hurghada Mar Rojo 13 días/12 noches 5***** desde U$ 1150

HISTÓRIA E FINALIDADE

As Cartas para os Mortos datam do Império Antigo (c.2613 - 2181 aC) durante o período tardio do Egito Antigo (525-332 aC), essencialmente toda a história egípcia. Quando um túmulo foi construído, dependendo da riqueza e status, uma capela de oferendas também foi construída para que a alma recebesse comida e bebida diariamente. Cartas aos mortos, muitas vezes escritas em uma tigela de oferendas, seriam entregues a essas capelas juntamente com comida e bebida e depois lidas pelas almas dos falecidos. O egiptólogo David P. Silverman aponta como "na maioria dos casos, no entanto, a interação entre os vivos e os mortos teria sido mais informal, com frases faladas que não deixaram vestígios". É por essa razão que hoje há muito poucas cartas aos mortos, mas, mesmo assim, basta entender sua intenção e importância.

Alguém escreveria uma carta da mesma maneira que escrevia para uma pessoa que ainda vive. Silverman explica:
Quer estejam inscritos em tigelas de cerâmica, de linho ou de papiro, esses documentos assumem a forma de cartas padrão, com anotações de destinatário e remetente e, dependendo do tom da carta, uma saudação: "Uma comunicação da Misericórdia para a Nebetiotef: Como você está? "O Ocidente está cuidando de você como você deseja?"

O "oeste", claro, é uma referência à terra dos mortos, que se pensava estar localizada naquela direção. Osiris era conhecido como o "Primeiro dos ocidentais" em sua posição como o Senhor dos Mortos. Como Silverman e outros salientam, uma resposta a essas cartas era esperada desde que feitiços 148 e  190 do Livro Egípcio dos Mortos permitiram que um espírito deixasse os vivos saberem o que estavam fazendo no além.

Uma vez que as saudações e cortesias foram expressas, o remetente chegou à questão da mensagem e este sempre foi um pedido de intercessão de algum tipo. Muitas vezes, o escritor lembra o destinatário da bondade que eles realizaram para eles ou a vida que eles viveram felizes juntos na terra. O egiptólogo Gay Robins cita um deles:

Um homem aponta em uma carta para sua esposa morta que ele se casou com ela 'quando eu era jovem. Eu estava com você quando estava fazendo todo tipo de trabalho. Eu estava com você e não me divorciei de você. Eu não deixei seu coração triste. Eu fiz isso quando eu era jovem e quando eu estava realizando todos os tipos de transações importantes para o faraó, vida, prosperidade, saúde, sem divórcio, dizendo: "Ela sempre esteve comigo, então eu disse!" Em outras palavras, à medida que os homens subiam na escada burocrática, provavelmente não era desconhecido para eles se divorciarem das esposas de sua juventude e se casarem de novo com uma mulher mais apropriada ou vantajosa para seu posto mais elevado.

Este marido lembra sua esposa de quão fiel e obediente ele era para ela antes de pedir ajuda para seu problema. A egiptóloga Rosalie David aponta como "os pedidos encontrados nas cartas são variados: alguns procuraram ajuda contra inimigos mortos ou vivos, particularmente em disputas familiares, enquanto outros procuraram assistência legal em apoio a um peticionário que tinha de comparecer perante o tribunal divino em o Dia do Juízo, e alguns pediram bênçãos ou benefícios especiais . No entanto, as solicitações que são feitas com mais frequência referem-se à fertilidade e ao nascimento por meio de pedidos de uma gravidez saudável e de uma criança, na maioria dos casos ummenino.

CARTAS E RESPOSTAS DOS MORTOS

Um escritor receberia uma resposta dos mortos de diferentes maneiras. No sonho, você pode ouvir o falecido, receber uma mensagem ou "sinalizar" ao longo do dia, consultar um médium ou simplesmente encontrar o problema resolvido de repente. Os mortos, afinal, estavam na companhia dos deuses, e sabia-se que os deuses existiam e, além disso, significavam o melhor para os seres humanos. Não havia razão para duvidar que o pedido de alguém tivesse sido ouvido e que alguém recebesse uma resposta.
Osiris era o senhor da justiça, e só fazia sentido que uma alma em sua presença tivesse uma influência maior do que aquela que ainda estava no corpo na terra. Se isso parece estranho ou "arcaico" para um leitor moderno, deve ser lembrado que há muitos que hoje observam essa mesma crença. As almas dos mortos, especialmente aquelas consideradas santas, ainda são consideradas mais atraentes para o divino do que alguém na terra. Silverman diz:

Em todos os casos, o falecido é instado a agir em nome do escritor, muitas vezes contra os maus espíritos que afligiram o autor e sua família. Tais pedidos são frequentemente encaminhados ao tribunal municipal e o papel do falecido nele: "deve instigar um litígio com ele porque ele tem testemunhas na mesma cidade dos mortos". O princípio é sucintamente estabelecido em uma tigela no Louvre em Paris: "Como você era alguém que era excelente na terra, então você é um que está em uma boa posição na necrópole". Apesar desse aspecto legalista, as letras nunca são fórmulas, mas variam em conteúdo e duração.

Claramente, escrever alguém na vida após a morte era o mesmo que escrever um em outra cidade do mundo. Quase não há diferença entre os dois tipos de correspondência. Uma carta escrita no século II dC de uma jovem mulher chamada Sarapias para seu pai segue aproximadamente o mesmo modelo:

Sarapias para Ammonios, seu pai e senhor, muitos cumprimentos. constantemente rezo para que você é bom e fazer reverência em seu nome com Philotera. Eu deixei Myos Hormos rapidamente depois de dar à luz. Eu não peguei nada do Myos Hormos ... Me mande 1 xícara pequena para beber  e um almofada pequena pra sua filha

 

Paquetes a Egipto a partir de U$ 192

 

A única diferença entre esta carta e a que um filho escreve para sua falecida mãe (Primeiro Período Intermediário Egípcio, 2181-2040 aC) é que Sarapias pede que objetos materiais sejam enviados enquanto o filho solicita intervenção espiritual. O filho começa sua carta com uma saudação semelhante e, em seguida, assim como Sarapias explica como ele precisa de um copo e um travesseiro enviado, ele pede ajuda. Ele também lembra a mãe de como o filho era obediente quando estava vivo, escrevendo: "Você disse isso a seu filho: 'Traga-me codornizes para comer', e esse filho trouxe sete codornizes e você comeu-as." (Robins, 107). Cartas como esta também deixam claro para o falecido que o escritor não "confundiu um feitiço" ao realizar os rituais necessários. Essa seria a coisa mais importante para garantir que a alma do falecido continuasse a ser lembrada para que ele pudesse viver bem na vida após a morte.

Depois que a alma leu a carta, o escritor só teve que ser paciente e esperar por uma resposta. Se o escritor não tivesse cometido nenhum pecado e realizado todos os rituais corretamente, ele receberia uma resposta positiva de alguma forma. Depois de fazer seus pedidos, os escritores muitas vezes prometiam presentes em troca e garantias de bom comportamento. Robins comenta sobre isso:
Em uma carta do Primeiro Período Intermediário para os mortos, um marido diz a sua esposa: 'Eu não escrevi um feitiço antes de você, enquanto eu faço um nome para você viver na terra', e ele promete fazer mais por ela se ela cura de sua doença: "Eu te darei oferendas quando a luz do sol se levantar e eu lhe estabelecer um altar". O irmão da mulher também pede ajuda e diz: 'Eu não confundi um feitiço antes de você; Não tirei as tuas oferendas.

Como o morto preserva sua identidade pessoal no outro mundo, um deles os escreveu usando os mesmos tipos de toques que funcionaram na vida. Se alguém conseguisse passar por ameaças, então ameaças eram usadas, como sugerir que, se alguém não satisfizesse os desejos, alguém cortaria oferendas no túmulo. Oferendas aos deuses em seus santuários e templos regularmente, e os deuses claramente ouviram e responderam, e assim foi pensado que os mortos faziam o mesmo. O problema com tais ameaças seria que, se alguém deixasse de apresentar oferendas, era mais provável que um espírito irado o atormentasse do que o que ele recebera. Assim como os deuses franziram o cenho para a impiedade de pessoas petulantes ao recusar oferendas, os mortos também o fizeram.

CONCLUSÃO

Cada cultura antiga tinha algum conceito em relação à vida futura, mas a do Egito era a mais completa e certamente a mais ideal. O egiptólogo Jan Assman aponta:
Os egípcios não deixaram nada ao acaso, como pode ser visto na habilidade técnica evidente nos monumentos e templos que ainda existem, e isso era tão verdadeiro quanto a sua visão da eternidade como qualquer outra coisa. Cada ação na vida teve uma consequência não só no presente, mas para a eternidade. A vida na terra era apenas parte de uma jornada eterna e o comportamento de uma pessoa afetava o futuro a curto e longo prazo. Pode-se ter certeza do que o espera depois da vida medindo suas ações contra o padrão de existência harmoniosa e o exemplo dado pelos deuses e pelo mundo natural.

Escrito por Joshua J. Mark
Traduzido por Khaled Ahmed

Comentários ou perguntas são bem-vindos