A Grande Esfinge de Gizé tem uma história fascinante. Aqui estão alguns fatos interessantes que eu talvez não soubesse antes.

La gran esfinge de Giza - Definición, nombre y construcción

Definição de A Grande Esfinge de Gizé

A Grande Esfinge de Gizé é a estátua mais reconhecível instantaneamente associada ao Egito antigo e uma das mais famosas do mundo. A escultura, de um leão reclinado com a cabeça de um rei egípcio, foi esculpida em calcário no platô de Gizé, provavelmente no reinado do rei Khafre (2558-2532 aC) durante o período do Antigo Reino do Egito (c. 2613-2181 aC), embora alguns estudiosos (especialmente Dobrev em 2004 EC) afirmem que foi criado por Djedefre (2566-2558 aC), irmão de Khafre que tentou usurpar o trono após a morte do rei Khufu (2589-2566 aC), o criador da Grande Pirâmide.

Pacotes de viagens para Egito a partir de US $ 355

Outros egiptólogos, acadêmicos, professores e historiadores de fora do campo afirmaram que a Esfinge é muito mais antiga do que a data em que a egiptologia dominante da 4ª dinastia insiste continuamente. As alegações de alguns desses escritores, como Zechariah Sitchin e Erich von Daniken, há muito são desacreditadas por estudos no campo, e as dos escritores mais recentes sobre o assunto são rotineiramente ignoradas ou alegadas como irrelevantes ou incorretas.

Os acadêmicos ainda discordam sobre quem fez a Esfinge esculpir e quando foi criada, mas todos concordam que é uma obra impressionante que, durante séculos, foi a maior escultura do mundo. A esfinge tem 73 m de comprimento e mede 20 m de altura, orientada em um eixo reto de oeste a leste. O egiptólogo Miroslav Verner comenta o significado da escrita em escultura:

"A Grande Esfinge de Gizé é mais do que um simples símbolo do Egito antigo e moderno. É a própria personificação da antiguidade e do próprio mistério. Ao longo dos séculos, provocou a imaginação de poetas e cientistas, aventureiros e viajantes. Embora muitas vezes tenha sido medido, descrito, pesquisado usando os meios técnicos científicos mais atualizados e discutido em conferências científicas especiais, as questões fundamentais permanecem sem resposta: quem o construiu, quando e por quê? ”

Muitas teorias foram apresentadas na tentativa de responder a essas perguntas, mas poucas satisfazem as três ou são universalmente aceitas. No entanto, é geralmente aceito entre os egiptólogos que a Esfinge foi construída sob o reinado de Khafre durante a 4ª dinastia do Reino Antigo, quando os pedreiros que estavam construindo seu complexo de pirâmides colidiram com um grande pedaço de pedra calcária e decidiram, ou eles Ele ordenou que eles esculpiram Esfinge dela. Por que isso foi feito e que propósito a Esfinge originalmente servia é continuamente debatido.

Nome da Grande Esfinge de Gizé

La gran esfinge de Giza - Definición, nombre y construcción

A estátua nunca foi conhecida como "a esfinge" pelos antigos egípcios. A palavra "esfinge" é grega e foi aplicada à escultura egípcia de Gizé, de acordo com Verner (e outros), através de uma tradução do nome egípcio shesep-ankh ("imagem viva") pela qual os egípcios se referiam à peça . bem como outras representações de figuras reais. Embora isso possa ser, também é bastante provável que a estátua simplesmente lembre os escritores gregos de sua própria esfinge mítica, como a famosa na história de Édipo, com o corpo de um animal e a cabeça de uma mulher. Visitantes gregos do local, afirmam estudiosos como Verner, confundiram os nemes (o cocar listrado do rei) com o cabelo de uma mulher até os ombros.

Pacotes de viagens para Egito a partir de US $ 355

Durante o tempo do Novo Reino do Egito (1570-1069 aC), os egípcios conheciam a Esfinge como Horemakhet (Hórus do horizonte) e um culto emergiu ao redor da estátua que a associava ao deus Hórus. Um "culto" no Egito antigo deve ser entendido como uma seita de um movimento religioso hoje; Não é um culto, como um leitor moderno entende esse termo. Este foi um culto solar que reverenciava Hórus em seu papel como deus do céu. Amenhotep II (1425-1400 aC) pode ter patrocinado esse culto. Ele honrou a Esfinge com um templo louvando Khufu e Khafre, representantes de Hórus na terra como muitos reis egípcios alegaram, mas sua escolha em nomear esses dois sugere fortemente que ele entendeu uma conexão entre esses governantes da 4ª dinastia e a estátua. As inscrições de Amenhotep II, portanto, sugerem uma data provável e nomes de reis associados à sua criação.

O filho de Amenhotep II, príncipe Tutmés, adormeceu uma noite perto da Esfinge e teve um sonho em que a estátua falava com ele reclamando sobre sua condição e como a areia pressionava nela. A Esfinge ofereceu a Tutmés um acordo: se ele concordasse em limpar a areia da estátua e restaurá-la, ele se tornaria o próximo faraó do Egito. O jovem príncipe aceitou o acordo, restaurou a Esfinge e ergueu a agora famosa Dream Stele, esculpida em granito rosa, para contar a história de como o príncipe se tornou Tutmés IV, Faraó do Egito (1400-1390 aC) O culto à Esfinge cresceu após o reinado de Tutmés IV, provavelmente em resposta à Estela dos Sonhos, que encorajou as pessoas a considerar a estátua como uma divindade viva capaz de influenciar o futuro.

Os cristãos coptas do século IV dC chamaram a estátua de Bel-hit (The Guardian), e esse nome ainda é usado hoje. Os egípcios de hoje não se referem à estátua como "a Esfinge", a menos que a discutam com turistas estrangeiros. A peça é conhecida em árabe egípcio como Abu al-Hawl, 'O Pai do Terror', e algumas facções extremas do Islã alegaram que é uma abominação idólatra. De fato, em 2012 EC, o clero associado ao Taleban pediu a destruição das pirâmides da Esfinge e de Gizé por esse motivo.

Construção da Grande Esfinge de Gizé

La gran esfinge de Giza - Definición, nombre y construcción

O planalto de Gizé nos tempos antigos era muito diferente na aparência do que é hoje. Arqueólogos e geólogos que trabalham na região encontraram evidências, através de padrões de erosão, de material vegetal e animal fossilizado e artefatos, de que a área há cerca de 8.000 anos atrás era bastante fértil e exuberante com vegetação. A água era abundante e os aqüíferos subterrâneos ainda são, como evidenciado pelas dificuldades que Zahi Hawass e sua equipe tiveram de explorar o Eixo Osíris da Grande Pirâmide em 1999 CE, devido ao lençol freático elevado. A chuva era abundante na região c. 15.000 a. C., e embora tenha sido feito com menos tempo, a área ainda era bastante fértil na época da 4ª dinastia.

Pacotes de viagens para Egito a partir de US $ 355

A capital do Egito durante o Reino Antigo era a cidade vizinha de Memphis; Giza foi escolhida como a necrópole dos reis da 4ª dinastia, os grandes construtores de pirâmides, porque havia sido usada pelos governantes durante o período dinástico do Egito (c. 3150-2613 aC) e possivelmente até o período Predinastica (c. 6000-c. 3150 aC). O rei Djoser (c. 2670 aC) já havia construído sua famosa pirâmide e complexo escalonado em Saqqara, enquanto em Gizé havia apenas túmulos mastaba. O rei Sneferu (c. 2613-2589 aC) aperfeiçoou a arte de construir pirâmides através de seu trabalho na pirâmide Meidum, na pirâmide dobrada e na pirâmide vermelha. Quando o rei Khufu chegou ao trono em 2589 a. C., os egípcios entenderam bem como trabalhar em pedra e como criar monumentos em grande escala. Provavelmente, Khufu escolheu Gizé como o local de sua Grande Pirâmide para mostrar o trabalho no melhor ambiente e longe das criações de seus antecessores.

Khafre sucedeu Khufu e começou seu próprio complexo de pirâmides ao lado do pai. A Esfinge é atribuída a ela porque o rosto da criatura se parece com o seu, como aparece na estatuária e devido à maneira como a Esfinge parece ter sido esculpida. A teoria diz que, no processo de construção da pirâmide de Khafre, os trabalhadores descobriram uma grande massa de rocha considerada inadequada para o complexo da pirâmide e esculpiram a estátua. Os historiadores Bob Brier e Hoyt Hobbs comentam sobre isso:

A pirâmide de Khafre [enfrentava uma] brilhante casca de calcário branco, transportada por barcos das pedreiras do outro lado do Nilo [e] colocada em blocos de calcário internos que foram cortados no local circundante de Gizé. Provavelmente, no decurso da liberação desses blocos internos, os cortadores de pedra atingiram uma costura de rocha mais dura do que evitaram, deixando uma pequena colina. Khafre esculpiu o afloramento na forma de um leão reclinado com o próprio rosto: a famosa Esfinge. (dezesseis)

La gran esfinge de Giza - Definición, nombre y construcción
Estatua de Khefre

A Esfinge está diretamente alinhada com o complexo piramidal de Khafre e isso também apóia a alegação de que ele foi seu criador. A localização da estátua, no entanto, e como ela se alinha ao complexo de Khafre, levou alguns estudiosos (como Stadelmann, do Instituto Arqueológico Alemão do Cairo) a acreditar que a Esfinge já existia quando Khafre alcançou o trono e seu complexo. Foi projetado propositadamente para se alinhar com a escultura. O famoso egiptólogo inglês E. Wallis Budge (1857-1934 CE) afirmou que a Esfinge era muito mais antiga que a época de Khafre e poderia ter sido criada no período dinástico mais cedo ou mais cedo. Dobrev, como observado, disse em 2004 que a estátua foi concluída pelo irmão de Khafre, Djedfre, em homenagem a seu pai Khufu e que o rosto da estátua se parece muito mais com Khufu do que com Khafre. Dobrev também concorda com Stadelmann que o complexo de Khafre foi orientado para a Esfinge em vez de esculpir a estátua durante ou logo após a construção.

Pacotes de viagens para Egito a partir de US $ 355

Algumas evidências, no entanto, defendem fortemente a construção durante o reinado de Khafre. Deixando de lado o rosto da criatura, sabe-se positivamente que o calcário que constitui a Esfinge é o mesmo que o usado na pirâmide de Khafre. O tipo de habilidade técnica evidenciada na criação da Esfinge pode ser visto nas estátuas de Khafre e na estátua dos deuses desta época no Reino Antigo. A orientação do complexo de Khafre sugere fortemente que ele foi construído levando em consideração a pirâmide e o complexo de Khufu, não a estátua, e que a Esfinge foi criada durante ou logo após sua pirâmide.

Outra evidência de que a Esfinge foi criada após as pirâmides vem de uma inscrição na perna esquerda da estátua que data de 166 EC. A inscrição comemora um projeto de restauração pelos romanos das paredes que cercavam a estátua naquele tempo. A inscrição foi descoberta pela primeira vez em 1817 por Caviglia (1770-1845 dC) em suas escavações em Gizé e foi traduzida e publicada pelo polifito inglês e ocasional rival de Champollion, Thomas Young (1773-1829 dC), na Quarterly Review. , Volume 19 de 1818 dC. Embora esta inscrição não verifique nenhuma data de construção, ela sugere que, durante o período do Egito romano, foi entendido que a estátua era mais jovem que as pirâmides, pois indica como os criadores do monumento "perto das pirâmides pediram para você você se levanta "e como o objetivo da Esfinge era vigiar o" amado príncipe "enterrado nas proximidades (Leitch, 200). No entanto, a inscrição poderia ser interpretada no sentido de que a Esfinge vigia o atual monarca do Egito em 166 EC, o Imperador Romano, e a linha anterior é simplesmente uma maneira poética de dizer que a Esfinge estava perto das pirâmides naquele país. momento. A inscrição pode ser lida de qualquer maneira e, além disso, algumas linhas estão ausentes no final. Mesmo assim, aqueles que aceitam a datação ortodoxa da estátua da 4ª dinastia apontam a inscrição como mais uma prova de sua reivindicação.

Controvérsia e dissidência

Mesmo assim, a Esfinge desafia uma colocação tão fácil e confortável no tempo. Os seres humanos, todos os protestos na direção oposta, não podem tolerar um mistério. Os mistérios são apenas intrigantes se concluírem com clareza de resolução; A Esfinge não oferece uma conclusão tão clara.

Em 1858 dC, o arqueólogo Auguste Mariette (1821-1881 dC) descobriu as inscrições agora conhecidas como Estela do Inventário, perto da pirâmide de Khufu. Esta estela lista 22 estátuas do Templo de Ísis em Gizé e afirma muito claramente que Khufu ergueu um monumento perto da Esfinge; portanto, a estátua deve ter existido antes do governo de Khufu e antes de Khafre. Se a Estela do inventário data da 4ª dinastia, seria uma evidência convincente de que a Esfinge preexistia aos reinados de Khufu e Khafre; Mas isso não acontece. A Trilha do Inventário foi datada positivamente da 26ª Dinastia do Terceiro Período Intermediário do Egito (c. 1069-525 aC). Os egípcios da época invocavam regularmente os nomes de reis anteriores, especialmente os construtores de pirâmides, em um esforço para lembrar a glória do passado. Parece claro que a pessoa que esculpiu o Stele Inventory estava intencionalmente elevando o estado do Templo de Ísis, fazendo com que parecesse mais antigo do que realmente era quando foi datado na época do grande Khufu. Na verdade, as ruínas do Templo de Ísis, em Gizé, datam do Reino do Meio (2040-1782 aC), muito depois do reinado de Khufu.

Um argumento mais significativo para a construção anterior do monumento é que, embora os arqueólogos tenham encontrado inscrições e evidências relacionadas à construção das pirâmides de Gizé na 4ª dinastia, como os trabalhadores ficaram, o que comeram, como foram pagos, nunca A Esfinge é mencionada. Esse fato é especialmente significativo quando se considera com que cuidado os egípcios documentaram os projetos de construção. Mesmo que alguém afirme, como alguns fizeram, que essas evidências simplesmente ainda não foram reveladas, ainda parece estranho que uma estrutura tão grande e obviamente significativa não tenha sido mencionada por ninguém no momento em que foi supostamente construída.

Pacotes de viagens para Egito a partir de US $ 355

Outro argumento contra a Esfinge que Khafre está construindo é que o rosto não é dele. Dobrev afirmou em 2004 EC que o rosto não era de Khafre, mas o geólogo Dr. Robert M. Schoch já havia afirmado que não era apenas o rosto de Khafre, mas a própria Esfinge era muito mais antiga que o reinado de Khafre. Schoch e o egiptólogo John Anthony West contrataram o especialista forense Frank Domingo, com mais de vinte anos de experiência no Departamento de Polícia de Nova York, atraindo suspeitos e criando reconstruções faciais, para examinar a estátua da Esfinge e Khafre e determinar se eles tinham. O mesmo rosto. A conclusão de domingo, após um estudo exaustivo de ambos os trabalhos, foi que eles representavam duas pessoas diferentes. Schoch afirma ainda que o rosto atual não é o de um homem, mas o de uma mulher.

Schoch e West argumentam que a Esfinge é séculos mais antiga do que a egiptologia convencional diz. Schoch, um geólogo da Universidade de Boston, observou que as marcas de erosão na Esfinge sugerem chuvas extensas por um período muito longo. Esse tipo de padrão climático não era evidente na época da 4ª dinastia do Egito; portanto, a estátua é obviamente mais antiga que esse período. Em resposta ao desafio da egiptologia convencional de mostrar evidências de uma cultura anterior à era tradicionalmente aceita da civilização egípcia, uma que poderia ter criado um monumento como a Esfinge, Schoch e West, aponta para o antigo local de Gobekli Tepe na Turquia moderna . remonta 10.000 anos e é atribuída a nenhuma civilização conhecida. A escultura encontrada em Gobekli Tepe é tão sofisticada quanto a da Esfinge e, às vezes, mais.

Schoch e West argumentam, então, que o rosto não é de Khafre, a datação da escultura está completamente errada e todas as reivindicações feitas com base nessa datação devem ser revisadas. São criticados por egiptólogos como Mark Lehner, que apontam as semelhanças entre a face da esfinge e a estatueta de Khafre e como os padrões de erosão na estátua não têm nada a ver com a idade; Se tal erosão ocorresse no planalto de Gizé, não seria limitado a um único monumento. Este debate em particular sobre a Esfinge está em andamento.

Os escritores Robert e Olivia Temple afirmam que não apenas o rosto da Esfinge não é o de Khafre, mas também não é o rosto original da estátua. A cabeça da esfinge é visivelmente desproporcional ao resto do corpo; É significativamente menor. Temole argumenta que isso ocorre porque a Esfinge não foi esculpida na 4ª dinastia sob Khafre, mas séculos antes e originalmente não era um leão, mas o deus chacal Anúbis. Segundo essa teoria, a grande estátua era Anúbis, que tradicionalmente guardava uma necrópole, e essa estátua certamente caberia no lugar ocupado pela Esfinge em Gizé.

Na dinastia IV, de acordo com Temple, a estátua foi re-esculpida para representar um leão com a cabeça do rei, porque o leão era uma figura popular no zoolatry (adoração de animais) naquela época. O tipo de antropomorfismo representado pela Esfinge foi claramente estabelecido pela 4ª dinastia, mas não está claro até que ponto a civilização egípcia foi observada ou como ela se desenvolveu. A egiptóloga Rosalie David ressalta que "não existem fontes literárias que lançem luz sobre a prática predinástica de zoolatria ou antropomorfismo que ocorreu por volta de 3000 a C. 2800 aC. Só podemos especular sobre as razões desses desenvolvimentos" (53). . David comenta mais sobre as representações dos deuses em geral e da Esfinge em particular, escrevendo:

“As formas e roupas dos deuses sempre foram exibidas de maneira bastante uniforme, sem indicar a data histórica da figura; a individualidade ou função particular do deus era representada por seus distintos chapéus ou cabeças de animais. Um exemplo inverso da mistura de características animais e humanas ocorre em períodos posteriores, na forma de uma esfinge, onde uma cabeça humana é colocada no corpo de um animal. Sempre que as características animais e humanas eram unidas em um único corpo, qualquer detalhe que pudesse parecer ridículo ou grotesco, como o local onde a cabeça e o corpo se juntavam, era mascarado: nesse caso, a área do pescoço estava oculta. os protetores de ouvido do cocar. ”

Temple não concordaria com essa avaliação, pois alegam que a cabeça da Esfinge foi esculpida e, portanto, declinou da maior cabeça de Anúbis. As lapelas do toucado não teriam sido usadas para esconder a área do pescoço, mas simplesmente para usar a pedra original da cabeça e, é claro, para acompanhar a representação de um rei egípcio da época. Robert Temple também afirma que o rosto de Khafre não é o de Amenemhat II (c. 1929-1895 aC), baseado no estilo das listras no tecido da Esfinge, que ele diz ser distintivo do XII Dinastia do Reino do Meio. Uma das razões pelas quais os estudiosos convencionais rejeitam essas alegações é que elas são amplamente especulativas. Não há nenhuma evidência de que a Esfinge tenha tido uma cabeça diferente e a diferença na proporção entre a cabeça e o corpo da Esfinge possa ser facilmente explicada pela quantidade de pedra com a qual os cortadores de pedra tiveram que trabalhar e seus processo: o corpo da esfinge foi esculpido primeiro e a cabeça no final. A cabeça ficou menor porque não havia pedra suficiente ou por causa de uma maior estabilidade.

Pacotes de viagens para Egito a partir de US $ 355

O geólogo Colin Reader refuta esse argumento, salientando que os antigos egípcios eram mestres em pedra e não poderiam ter calculado mal ao esculpir a Esfinge, nem teriam encolhido a cabeça desproporcionalmente ao corpo em prol da estabilidade. Existem muitos outros monumentos, observa ele, em perfeita proporção, que resistiram ao teste do tempo. Reader sustenta, na linha dos templos, que a Esfinge originalmente tinha uma cabeça diferente, mas afirma que era uma leoa, não Anúbis. Ele apóia sua afirmação, em parte, através de uma estátua da esfinge no Museu do Cairo, que ele interpreta anteriormente como a de uma leoa cujas orelhas foram cortadas e seu rosto foi esculpido novamente. O principal argumento do leitor, como o de outros, é que não há explicação satisfatória para o desgaste da esfinge ou a proporção da cabeça anterior à quarta dinastia e que já foi um monumento diferente.

A egiptologia convencional se recusa a considerar seriamente qualquer uma dessas afirmações, geralmente por muito boas razões, e as descarta como 'pseudociência'. Mesmo assim, as alegações continuam avançando e as evidências apresentadas pelos vários autores nem sempre foram refutadas, apenas ignoradas ou ridicularizadas. O historiador e egiptólogo Antoine Gigal argumenta em defesa dessas afirmações "marginais" e também afirma que não só a Esfinge é séculos mais antiga que a data aceita, mas uma vez houve duas delas. Gigal cita a Estela dos Sonhos de Tutmés IV, que mostra claramente duas esfinges, e a Estela do Inventário, que parece indicar uma segunda esfinge destruída por uma tempestade.

Esta segunda esfinge estaria localizada do outro lado do Nilo, a partir de Gizé. Sem dúvida, duas esfinges estariam alinhadas com a arte e a arquitetura egípcias, uma vez que os antigos egípcios valorizavam muito o equilíbrio e observavam o conceito em todos os aspectos de sua civilização, duplicando frequentemente edifícios e monumentos municipais (como a prática de levante sempre dois obeliscos). Gigal também afirma que havia túneis sob essas esfinges que podem tê-los conectado. De fato, os túneis foram localizados sob a Grande Esfinge, embora tenha sido determinado que eles não vão a lugar algum.

A egiptologia convencional baseia suas conclusões em precedentes e evidências; aqueles que estão fora do ponto de vista aceito baseiam-se nos mesmos preceitos, mas carecem do tipo de treinamento que permite aos egiptólogos interpretar artefatos dentro do contexto cultural. Pontos de vista alternativos são rejeitados regularmente se eles não parecem seguir princípios sólidos para alcançar suas reivindicações ou alterar a narrativa estabelecida sem evidência suficiente. No entanto, no caso da Esfinge, alguns dos que reivindicam a história alternativa da estátua geralmente observam a devida diligência e até mesmo suas reivindicações foram rejeitadas.

Mistérios e mitos da esfinge

Como se señaló, el origen de la Gran Esfinge es esencialmente desconocido, y como también se señaló, los seres humanos se sienten incómodos con los misterios. No debería sorprendernos que la egiptología convencional se niegue a considerar teorías alternativas al origen y la construcción del monumento porque hacerlo destruiría la cronología de la historia egipcia que se ha creado y construido desde mediados del siglo XIX. A Napoleón se le atribuye regularmente la observación de que "la historia es la fábula sobre la cual la mayoría está de acuerdo", y esto es tan cierto para la Esfinge como lo es para cualquier otro artefacto o evento del pasado. La historia se compone de historias contadas por escritores que intentan interpretar y dar sentido a eventos presenciados de primera mano o artefactos que sugieren una cierta narrativa. Una vez que se acepta un cierto hilo de la historia de una civilización, una vez que el misterio de esa civilización se 'resuelve', por así decirlo, las afirmaciones que amenazan la validez de esa historia serán naturalmente rechazadas.

Esse mesmo paradigma pode ser observado nos mitos sobre a Grande Esfinge apoiados pelos chamados escritores da "Nova Era". Esses autores argumentam que a estátua tem poderes sobrenaturais, que existem túneis sob ela que se conectam a uma rede subterrânea (como observado, existem túneis sob a Esfinge, mas não levam a lugar algum) e muitas outras teorias `` marginais '' ', que geralmente envolvem alienígenas, que são regularmente descartados pelos principais acadêmicos. Embora pareça não haver evidência, ou evidência fraca, na melhor das hipóteses, para apoiar essas afirmações, os indivíduos continuam a manter a narrativa da 'Nova Era' porque ela apóia e encoraja suas crenças sobre o mundo e o universo em geral. Quando um indivíduo se sente à vontade com um determinado sistema de crenças, seja a ortodoxia do campo de estudo ou qualquer outra coisa, é improvável que alguém mude essa crença por outro. Esse paradigma também se estende às teorias sobre a destruição do nariz da esfinge.

Os escritores repetem regularmente a absoluta falsidade que as tropas de Napoleão dispararam em sua campanha ao Egito em 1798-1801 CE. O desenho da Esfinge pelo artista francês Frederic Luis Norden de 1737 EC mostra o nariz da Esfinge já destruído e o cartunista Dominique Vivant Denon (1747-1825 EC) que acompanhou Napoleão em sua campanha mostra o mesmo. O nariz poderia ter sido danificado na invasão árabe do século VII dC, como alguns afirmaram, ou por um clérigo muçulmano do século 14 que ficou enfurecido ao encontrar camponeses egípcios que ainda reverenciavam a estátua como uma divindade. Embora essas possibilidades sejam mencionadas regularmente, a história das tropas de Napoleão usando a Esfinge para a prática de tiro ao alvo continua aparecendo em livros, documentários e artigos sem críticas, porque se tornou parte da narrativa da história da Esfinge. : uma força invasora, incapaz de apreciar a grandeza de um monumento antigo, destrói-o. Na verdade, Napoleão admirava as obras antigas do Egito e trouxe cientistas, artistas e engenheiros com ele para estudar e registrar os monumentos, não destruí-los.

Quaisquer que sejam suas origens e seu propósito original, Verner está certo quando diz que a Grande Esfinge de Gizé é "a própria personificação da antiguidade e do próprio mistério" (234). Um leão gigante reclinado com a cabeça de um homem sentado no meio de um antigo platô implora por uma razão e uma história que acompanhem o fascínio que inspirou ao longo dos séculos. A Esfinge faz jus ao seu nome porque é um quebra-cabeça cuja presença frustra as tentativas de dar uma resposta satisfatória. Mesmo que todas as histórias alternativas do monumento fossem aceitas, ainda haveria outras que proporiam alternativas a essas alternativas. Como em qualquer grande obra de arte, a Esfinge fica aberta à interpretação, mas, diferentemente da maioria, essa luta com a interpretação vai além do trabalho em si e, a menos que alguém aceite a visão convencional, carrega para mais perguntas do que respostas.

Escrito por Joshua J. Mark
Traduzido por: Khaled Ahmed

Leia também:

Campos marcados con * son obligatorios

Reemplazo de dinero 100% en caso de no sea satisfecho de nuestro servicio
SATISFACCIÓN GARANTIZADA
Comprobar opiniones de nuestros pasajeros en Tripadvisor Testimonios

Testimonios