A primeira greve na história - O valor cultural mais importante no Egito antigo foi a harmonia; Conhecido pelos egípcios como Ma'at. O Ma'at era o conceito de equilíbrio universal, comunitário e pessoal que permitia ao mundo funcionar como deveria, de acordo com a vontade dos deuses.

A Primeira greve do trabalho na história - O papiro da greve

A Primeira greve do trabalho na história

O papiro da greve
O papiro da greve

O valor cultural mais importante no antigo Egito foi a harmonia; conhecido pelos egípcios como ma'at. Ma'at era o conceito de equilíbrio universal, comunal e pessoal que permitia que o mundo funcione como deveria de acordo com a vontade dos deuses. Durante a maior parte da história do Egito, essa crença serviu bem a cultura. O principal dever do rei era defender ma'at e manter o equilíbrio entre as pessoas e seus deuses. Ao fazê-lo, ele precisava se certificar de que todos aqueles abaixo dele estavam bem cuidados, que as fronteiras eram seguras e que ritos e rituais eram realizados de acordo com a tradição aceita. Todas essas considerações providenciaram o bem do povo e a terra como mandato do rei significava que todos tinham um emprego e conheciam seu lugar na hierarquia da sociedade

Em certos momentos, no entanto, o rei achou difícil manter essa harmonia devido à pressão das circunstâncias e à falta de recursos. Esta situação é claramente aparente no final de cada um dos três períodos conhecidos como "reinos" e às vezes durante um incidente especialmente interessante durante o Novo Reino (c. 1570- c.1069 aC) se destaca porque ocorreu antes do declínio real do poder do Novo Reino e, segundo alguns estudiosos, marca o início do fim: A primeira greve trabalhista na história registrada.

Pacote Egito e Mar vermelho 13 dias/12 noites 5***** desde U$ 1150

FUNDO

Ramesses III (1186-1155 aC) é considerado o último bom faraó do Novo Reino. Ele defendeu as fronteiras do Egito e os templos e os monumentos do país foram restaurados e remodelados. Ele queria ser lembrado da mesma maneira que Ramesses II (1279-1213 aC) tinha sido - como um grande rei e pai para seu povo - e no início de seu reinado ele conseguiu isso. O Egito não era o poder supremo que tinha sido sob Ramesses II, no entanto, e o país que governou Ramsés III sofreu uma perda de status com a conseqüente diminuição dos recursos de tributo e comércio.

Ramses III
Ramses III

Em 1178 aC, a confederação conhecida como "Povos do Mar" montou uma invasão maciça conta Egito, que mais afligiu os recursos do país. Os povos do Mar tentaram conquistar o Egito duas vezes antes, durante os reinados de Ramesses II e seu sucessor imediato Merenptah (1213-1203 aC). Ambos os reis conseguiram derrotá-los, mas o exército que avançava durante Ramsés III era muito maior embora seus recursos eram menores.

Ainda assim, ele montou uma forte defesa do país, fortificando bastiões ao longo das fronteiras e em todo o interior e lançando sua marinha contra os navios invasores. Ele iniciou um recrutamento nacional de todos os distritos da terra para construir as forças armadas e conferiu com seus generais sobre o melhor caminho para derrotar o inimigo no mar: atraindo-os o suficiente para a costa na foz do Nilo, então eles estariam dentro gama de arqueiros egípcios, mas mantendo-os longe o suficiente para evitar um pouso.

Seu plano funcionou e os Povos do Mar foram derrotados na batalha naval, muitos deles foram massacrados sob a chuva de flechas da costa ou afogados quando seus navios naufragaram, mas as perdas egípcias no combate terrestre parecem ter sido bastante altas. As inscrições de Ramsés III a respeito do evento só se concentram na brilhante vitória do mar na foz do Nilo e não dizem nada sobre a batalha terrestre. Pode ter havido muitas mais vidas egípcias perdidas do que os registros oficiais queriam admitir e isso resultou em uma perda de mão-de-obra nas fazendas do país e uma safra menor, menos comerciantes para trocar bens e uma perda daqueles em outros. ocupações que mantiveram a economia forte.

Ramesses III ganhou uma vitória deslumbrante, no entanto, a par com os relatos do triunfo de Ramesses II em Kadesh em 1274 aC. Ele seguiu isso, de acordo com o princípio de ma'at, remodelando os templos e monumentos da terra através de uma grande excursão do sul para o norte. Durante esse período, ele supervisionou os ajustes nos impostos, certificou-se de que os funcionários estavam realizando seus trabalhos com competência e corrigiram o desempenho de rituais que não estavam alinhados com a tradição. Em tudo isso, o faraó estava tentando elevar o Egito ao status que conhecia no auge do Reino Novo, mas mesmo ele deve ter sabido que não era suficiente. O custo da comitiva do rei ao percorrer o Egito teria sido uma incrivel despesa e uma drenagem de um tesouro já tenso e as melhorias e reformas que ele ordenou colocaram exigências ainda maiores nos recursos.

Ele, portanto, ordenou uma série de expedições a terras estrangeiras em comércio e conquista militar, todas as quais foram bem sucedidas. Sua maior conquista nesse sentido foi a expedição de dois meses à Terra de Punt, um país rico em recursos que não haviam sido visitados pelos egípcios desde a época de Hatshepsut (1479-1458 aC). Esses esforços deveriam ter substituído o tesouro, mas, de alguma forma, não o fizeram. Acadêmicos oferecem diferentes teorias sobre por que isso aconteceu, mas a maioria concorda que o problema central era triplo: uma perda de trabalho devido a baixas na guerra, a incrível despesa em repelir os Povos do Mar, funcionários corruptos que desviaram recursos para as suas próprias contas e más colheitas devido às condições meteorológicas.

O GREVE DE TRABALHO

Por mais de 20 anos, Ramesses III fez o seu melhor para o povo e, ao aproximar-se do seu 30º ano, os planos foram iniciados para um grande festival do jubileu para homenageá-lo. Egiptólogo Toby Wilkinson observa:

O tribunal aguarda com expectativa o jubileu do rei trinta anos, ele decidiu organizar uma festa digna de um monarca tão glorioso. Somente as cerimônias mais luxuosas serviriam. Foi uma decisão fatídica. Sob pompa e circunstância, o estado egípcio havia sido seriamente enfraquecido por seus esforços. As perdas militares de 1178 ainda eram profundamente sentidas. O comércio exterior com o Oriente Próximo nunca se recuperou totalmente da orgia de destruição do povo do mar. Os baús dos templos podiam ser cheios de cobre e mirra, mas seu suprimento de grãos, o alimento básico da economia egípcia, estava severamente esgotado. Nesse contexto, os preparativos para o jubileu suporiam uma séria perda de recursos.

Os problemas começaram em 1159 a. C., três anos antes do festival, quando os salários mensais dos construtores de túmulos e artesãos em Set-Ma'at ("O Lugar da Verdade", mais conhecido como Deir el-Medina) chegaram quase um mês atrasados. O escriba Amennakht, que também parece ter servido como uma espécie de delegado sindical, negociou com as autoridades locais a distribuição de milho aos trabalhadores, mas essa era apenas uma solução temporária para um problema imediato; A causa subjacente da falha de pagamento nunca foi abordada.

Em vez de olhar para o que deu errado e tentar impedir que isso acontecesse novamente, os funcionários se dedicaram a preparar o grande festival. O pagamento aos trabalhadores de Deir el-Medina foi novamente atrasado e, mais tarde, até tarde, como Wilkinson escreve: "o sistema de pagar os trabalhadores da necrópole desmoronou completamente, provocando as primeiras greves registradas na história" .

. Os trabalhadores esperaram 18 dias além do dia de pagamento e se recusaram a esperar mais. Eles deixaram suas ferramentas e marcharam em direção à cidade gritando "estamos com fome!" Primeiro eles demonstraram no templo mortuário de Ramsés III e, em seguida, realizaram um protesto perto do templo de Tutmés III.

As autoridades locais não tinham ideia de como lidar com a situação; Nada como isso aconteceu na história do país. Ma'at aplicava-se a todos, do rei ao camponês, e esperava-se que todos reconhecessem seu lugar no esquema do universo e agissem de acordo. Os trabalhadores que se levantam e exigem seu pagamento é simplesmente uma impossibilidade porque viola o princípio de ma'at. Sem entender como lidar com o problema, os funcionários ordenaram que os trabalhadores distribuíssem bolos para os trabalhadores em greve e esperavam que ficassem satisfeitos e voltassem para casa.

Senhora da verdade, equilíbrio e harmonia
Senhora da verdade, equilíbrio e harmonia

Os pastéis não eram suficientes, no entanto, e no dia seguinte, os homens assumiram o portão do sul do Ramesseum, o armazém central de grãos em Tebas. Alguns invadiram os quartos internos exigindo seu pagamento e os funcionários do templo chamaram o chefe da polícia, um homem chamado Montumes. Montumes disse aos grevistas que deixassem o templo e retornassem ao trabalho, mas recusaram. Desamparados, Montumes retiraram-se e deixaram o problema para os funcionários resolverem. O pagamento atrasado foi finalmente entregue após as negociações entre os oficiais dos sacerdotes e os grevistas, mas logo que os homens voltaram para a aldeia do que descobriram que o próximo pagamento não chegaria.

Mais uma vez, os trabalhadores entraram em greve, desta vez assumindo e bloqueando todo o acesso ao Vale dos Reis. O significado desse ato foi que nenhum sacerdote ou familiares do falecido puderam entrar com comida e bebida para os mortos e isso foi considerado uma ofensa séria à memória daqueles que passaram para a vida após a morte. Quando as autoridades apareceram com guardas armados e ameaçaram retirar os homens pela força, um atacante respondeu que ele iria danificar as tumbas reais antes que pudessem se mover contra ele e assim os dois lados ficaram paralisados.

Nesse momento, os homens não estavam mais simplesmente atacando os pagamentos em atraso, mas o que eles viram como uma grave violação de ma'at. O rei deveria cuidar de seu povo e isso significava garantir que os funcionários que supervisionavam os pagamentos o fizessem de forma correta e oportuna. Passava três anos desde que as greves começaram e a situação não mudou: os trabalhadores não receberiam seu salário, eles iriam entrar em greve, os funcionários encontrariam os meios para pagá-los, e o mesmo cenário seria repetiu novamente no próximo mês. Os trabalhadores do túmulo e os artesãos alegaram que a injustiça da mais alta ordem estava sendo perpetrada e eles queriam que essa situação fosse abordada.

O governo local, no entanto, ainda não tinha entendimento de como lidar com o problema. Era sua responsabilidade manter a ordem e, especialmente com o jubileu, manter a paz e defender a dignidade do faraó. Eles não podiam enviar uma palavra oficial à capital que os trabalhadores de Tebas se recusaram a fazer seu trabalho ou que poderiam enfrentar a execução por não cumprir seu dever; então eles não fizeram nada. De acordo com as tradições da cultura, eles deveriam ter enviado uma mensagem ao vizir que teria examinado e corrigido o problema. O vizir, de fato, chegou a Tebas em aproximadamente esse tempo para colecionar estátuas para a celebração do jubileu, mas não há indícios de que ele tenha contado nada sobre os trabalhadores em greve.

O jubileu em 1156 aC foi um grande sucesso e, como em todos os festivais, os participantes se esqueceram de seus problemas diários com dança e bebida. O problema não desapareceu, no entanto, e os trabalhadores continuaram suas greves e sua luta pelo pagamento justo nos próximos meses. Por fim, algum tipo de resolução parece ter sido atingido por meio do qual as autoridades puderam fazer pagamentos aos trabalhadores no tempo, mas a dinâmica do relacionamento entre funcionários do templo e trabalhadores havia mudado - assim como a aplicação prática do conceito de ma'at - e estes nunca voltariam a ter seus primeiros entendimentos novamente. Ma'at era responsabilidade do faraó para supervisionar e manter, não os trabalhadores; e, no entanto, os homens de Deir el-Medina tomaram a decisão de corrigir o que viram como uma violação das políticas que ajudaram a manter a harmonia e o equilíbrio essenciais. As pessoas comuns foram forçadas a assumir as responsabilidades do rei.

SIGNIFICADO

As greves dos tumultos e artesãos foram especialmente influentes porque esses homens estavam entre os mais bem pagos e mais respeitados no país. Se eles pudessem ser tratados isso mal, o raciocínio foi, então outros deveriam esperar ainda pior. A influência das greves também foi tão grande porque esses trabalhadores tiveram o máximo de perder, estavam todos conscientes do princípio de ma'at e seu dever, e ainda optaram por se opor a uma prática governamental que julgavam injusta . O que começou como uma queixa sobre o atraso nos salários transformou-se em uma ação que protesta contra a corrupção e a injustiça. No final de suas greves, os trabalhadores já não cantasam sobre sua fome, mas sobre o problema maior:

Nós fomos em greve sem fome, mas porque temos uma séria acusação de fazer: coisas ruins foram feitas neste lugar do Faraó.

O sucesso das greves dos trabalhadores / artesãos da tumba inspirou outros a fazer o mesmo. Assim como os registros oficiais da batalha com os Povos do Mar nunca registraram as perdas egípcias na batalha terrestre, eles não registraram nenhuma menção aos ataques. O registro da greve vem de um rolo de papiro descoberto em Deir el-Medina e provavelmente escrito pelo escriba Amennakht. O precedente dos trabalhadores que deixaram seus empregos foi estabelecido por esses eventos e, embora não existam relatos oficiais de outros eventos similares, os trabalhadores agora entendiam que tinham mais poder do que se pensava anteriormente. As greves são mencionadas na última parte do Novo Império e no Período Tardio e não há dúvida de que a prática começou com os trabalhadores em Deir el-Medina na época de Ramsés III.

Escrito por Joshua J. Mark
Traduzido por Khaled Ahmed

Campos marcados con * son obligatorios

Testimonios

Reemplazo de dinero 100% en caso de no sea satisfecho de nuestro servicio
SATISFACCIÓN GARANTIZADA
Comprobar opiniones de nuestros pasajeros en Tripadvisor Testimonios

Cartas aos mortos no Egito antigo
Cartas de consultas e pedir ajuda dos mortos

Cartas aos mortos no Egito antigo
Cartas de consultas e pedir ajuda dos mortos